Exame Neurológico (pares cranianos I a VI)

José Ferro / Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa

Explicação das manobras e gestos integrantes do Exame Neurológico relativo aos doze pares cranianos.

Avaliação do nervo olfativo

Avaliação do primeiro par craniano, o nervo olfativo, através da identificação de odores não irritativos para a mucosa olfativa, estando o doente com os olhos vendados.



Avaliação da acuidade visual

Início da avaliação do segundo par craniano, o nervo óptico, através da avaliação da acuidade visual. O exame é realizado a ambos os olhos e a diferentes distâncias, tendo o doente o objetivo de identificar os dedos estendidos do examinador.



Avaliação dos campos visuais

Esta avaliação também faz parte do exame do nervo óptico. Procura-se testar a integridade de ambos os campos visuais do doente por confrontação direta comparando com os campos visuais do examinador.



Avaliação dos movimentos oculares

A pesquisa dos movimentos oculares permite avaliar a integridade do nervo motor ocular comum, do nervo patético ou troclear e do nervo motor ocular externo ou abducente que inervam os músculos oculares extrínsecos. Neste teste o doente deve permanecer com a cabeça imóvel e devem ser testadas as 8 posições do olhar.



Avaliação das pupilas e dos reflexos fotomotores

Avaliação integrante do exame do nervo óptico que consiste na descrição das pupilas do doente e na pesquisa dos reflexos fotomores direto e consensual normais. Neste teste, além da luminosidade baixa da sala, também se utiliza uma luz que incide sobre cada olho para verificar a integridade do nervo óptico (aferente) e do nervo motor ocular comum (eferente).



Avaliação dos reflexos de acomodação e convergência

A pesquisa dos reflexos de acomodação e convergência possibilita a avaliação da integridade dos nervos óptico (aferente) e motor ocular comum (eferente). Este teste consiste no doente fixar o olhar num objeto que se vai aproximando progressivamente.



Avaliação do nervo trigémio

Avaliação sistematizada da parte sensitiva e motora do quinto par craniano, o nervo trigémio. A primeira a incidir sobre os três andares da face e a segunda a incluir os músculos temporais e masséteres.